domingo , 25 agosto 2019

Em carta aberta, Vice Presidente da Microsoft desabafa sobre o boicote do Google ao Windows Phone

YouTube official app
Aplicativo do YouTube ontem
Aplicativo do YouTube hoje
Aplicativo do YouTube hoje

Em uma carta aberta, David Howard (Vice Presidente da Microsoft) se manifestou sobre os esforços que o Google vem fazendo em impedir que os usuários de Windows Phone tenham uma boa experiência ao utilizarem o YouTube.

Não tenho como deixar de concordar com cada palavra citada por ele.

Vocês devem estar se perguntando o que aconteceu com o aplicativo do YouTube pra Windows Phone. Em Maio, depois de lançarmos uma versão com diversas melhorias para nossa plataforma, o Google questionou uma série de itens da aplicação. Nós retiramos o aplicativo da loja e trabalhamos com o Google para resolver estas questões. Nessa semana, após nós endereçarmos cada um dos pontos citados pelo Google, re-lançamos o aplicativo apenas para que o Google o bloqueasse.

Nós sabemos que isso é frustrante para nossos consumidores. Nós sempre tivemos um objetivo: prover ao usuários de Windows Phone, a mesma experiência que o YouTube oferece aos usuários de iPhone e Android. Os motivos apontados pelo Google não só são imcompatíveis com o comprimisso do Google de ser uma plataforma aberta, mas também envolvem requerimentos ao aplicativo do Windows Phone, que não são solicitados ao iPhone e Android (ambas plataformas usando a busca do Google como default, é claro).

Inicialmente quando nós construimos um aplicativo do YouTube para Windows Phone, nós fizemos isso com o entendimento de que o Google pretendia ampliar seus negócios com base em acesso aberto a suas plataformas e conteúdo, um ponto que foi reiterado no ano passado. Como o Google passa por uma investigação “antitruste” seus executivos reinteraram o compromisso com a transparência e a capacidade de manter seus compromissos de abertura de forma voluntária.

Com este pano de fundo, nós temporariamente retiramos nosso aplicativo do ar quando o Google se opôs a ele em Maio, e passamos a trabalhar nos itens exigidos pelo Google. Nós habilitamos os anúncios do Google, desabilitamos o download de vídeos e eliminamos a capacidade dos usuários de assistirem vídeos privados. Fizemos tudo isso sem custo algum para o Google, o qual pensamos que gostaria de ter um aplicativo para Windows Phone que trouxesse receita adicional para o Google através dos novos usuários.

Havia um pontos de discórida na colaboração. O Google nos pediu para fazer a transição do nosso aplicativo para uma nova linguagem de codificação HTML5. Esse foi um pedido estranho já que nem o aplicativo do YouTube para iPhone, nem sua versão para Android são construídos em HTML5. No entanto, temos dedicado recursos significativos em engenharia para avaliar essa possibilidade. No final, especilistas de ambas as companhias concluiram que construir um aplicativo do YouTube em HTML5 seria tecnicamente muito difícil e consumiria muito tempo, o qual assumimos ser o motivo do Google ainda não ter convertido seus aplicativos de iPhone e Android para esse padrão.

Por essa razão, tomamos uma decisão nessa semana e publicamos nossa versão não-HTML5 enquanto continuaríamos com nosso compromisso de trabalhar com o Google ao longo do tempo para construir uma versão baseada em HTML5. Nós acreditamos que essa abordagem entrega aos nossos usuários uma experiência de curto prazo nas mesmas condições das demais plataformas enquanto acontece essa eventual transição para a nova tecnologia. O Google, porém, resolveu bloquear o acesso dos nossos usuários ao nosso novo aplicativo.

Parece que as razões do Google para esse bloqueio são inventadas para que não possamos dar aos nossos usuários a mesma experiência oferecida no Android e iPhone. As barreiras do Google são impossíveis de serem superadadas e eles sabem disso.

O Google alega que um problema do nosso aplicativo é que ele não oferece anúncios baseado nas condições impostas por seus criadores. Nosso aplicativo atende aos anúncios do Google utilizando todos os metada disponíveis. Nós solicitamos ao Google que fornecesse as mesmas informações que o iPhone e Android recebem para que nós pudéssemos viabilizar o mesmo caminho utilizado por eles para exibir anúncios. Até agora pelo menos, o Google se recusou a nos dar essa informação. Nós estamos confiantes que podemos resolver isso se o Google cooperar, mas arrumar estas questões depende totalmente do próprio Google. Se o Google parar de bloquear nosso aplicativo, ficaremos felizes em trabalhar com eles nisso com todo o custo arcado pela Microsoft.

O Google ainda alega que nós não estamos atendendo os “termos e condições”. O que o Google realmente quer dizer é queo nosso aplicativo não é baseado em HTML 5. O problema com esse argumento, é que o próprio Google não atende a esse requisito no iPhone e no Android. Mais uma vez, nós ficamos felizes em colaborar com o Google em um aplicativo HTML 5, mas não nos deve ser exigido algo que aparentemente nem no iPhone nem no Android houve êxito em descobrir como implementar.

O Google também se preocupa com a marca. O engraçado sobre este ponto é que nós estamos utilizando a mesma marca desde 2010 quando tínhamos um aplicativo de qualidade inferior para o YouTube. Agora que nós temos um aplicativo que oferece uma experiência mais completa, o Google se opõe ao uso da marca (mesmo nós temos tomado precauções para deixar claro que nós somos os autores do aplicativo). Vai entender.

Por fim, o Google cria uma expriência ruim. Desde 2010, o Google permitiu aos usuários de Windows Phone ter um aplicativo do YouTube que fosse inferior ao do iPhone e Android. As avaliações do nossso novo aplicativo são unânimes em dizer que a experiência foi muito melhorada, e nós estamos comprometidos em fazer os ajustes necessários para melhorá-la ainda mais. Se o Google realmente estivesse preocupado com uma experiência ruim, nos permitira usar o novo aplicativo que os nossos usuários amam.

Achamos que está claro que o Google não quer que os usuários de Windows Phone tenham a mesma experiência do Android ou iPhone, e os seus requisitos são nada mais do que desculpas. No entanto, estamos empenhados em dar aos nossos usuários a experiência que eles merecem, e nós estamos felizes em trabalhar com o Google para solucionar quaisquer preocupações que eles tenham. Enquanto isso, nós mais uma vez solicitamos ao Google que pare de bloquear nosso aplicativo do YouTube.

Obs: Se você pretende reproduzir esse texto em seu site, pelo menos nos dê o crédito pela tradução linkando para esse post. Deu um trabalhão pra fazer, ok?

About igorlt

Twitteiro compulsivo formado em Rádio & TV. Usuário Nokia desde 1999 e expert em Mobile Payment.