quinta-feira , 19 setembro 2019

Review: Apresentamos o Surface, o surpreendente tablet da Microsoft

Como vocês sabe, comprei o Surface no dia do seu lançamento nos EUA.

Agora com uma semana de uso, já me sinto a vontade para postar minhas primeiras impressões a respeito desse super equipamento que já virou meu companheiro no meu dia a dia.

Alguém no twitter (infelizmente não lembro quem) descreveu o Surface com a frase: “Mais que um iPad e menos que um notebook”. É mais ou menos isso mesmo…

Então, vamos seguir em frente com alguns pontos importantes sobre o aparelho que mostro nesse vídeo e no texto abaixo.

Design

A Microsoft  fez um ótimo trabalho. O Surface é bonito, leve e bem acabado. O teclado e o suporte traseiro permitem que você o utilize como se fosse um notebook. Impecável!

Só fica aqui uma observação importante. Tomem muito cuidado pra não prender o dedo quando for fechar suporte traseiro. Eu já consegui a proeza de fazer isso três vezes e posso dizer.. dói muito! 😛

Touch Cover e Type Cover

Touch Cover disponível em várias cores

Um show a parte!

Confesso que eu estava muito preocupado se eu conseguiria me adaptar a digitar nessa Touch Cover. Mas depois de uns 15 minutos brincando com ela na loja, eu já estava digitando quase na mesma velocidade que em um notebook tradicional. Assim, a decisão de compra acabou ficando mais fácil!

A Touch Cover está disponível em Branco, Laranja, Vermelho, Azul, Pink e Preto. Ao pressionar cada tecla, ela faz aquele barulhinho de feedback igual ao do Windows Phone. Pode parecer frescura, mas isso acaba dando uma sensação gostosa de usá-la.

Mas algumas pessoas mais tradicionais podem ter dificuldades em se adaptar a Touch Cover. Foi pensando nisso que a Microsoft criou a Type Cover, que nada mais é do que um capinha com teclado (idêntica a Touch Cover), mas que com botões físicos (similares ao de um notebook). A Type Cover está disponível apenas na cor preta.

Vale lembrar que é totalmente possível usar o Surface sem um teclado a parte, usando apenas o teclado touch screen, como acontece nos demais tablets do mercado.

Windows RT

Esse item era a grande dúvida ficava martelando na minha cabeça. Não seria melhor esperar pelo Surface com Windows 8 Pro? Quais as limitações desse Windows RT?

Mesmo pesquisando sobre o assunto eu ainda estava com um pé atrás. Até que vi o Surface ao vivo e brinquei bastante com ele na loja da Microsoft.

Vou resumir o assunto dizendo que o Windows RT nada mais é do que uma versão light do Windows 8. A limitação é que no Windows RT você só pode instalar aplicativos que foram criados para Windows 8 e que estão disponíveis na loja, assim como acontece no Windows Phone ou nos produtos da Apple, por exemplo. Já o Windows 8 Pro roda qualquer arquivo .EXE.

Em um primeiro momento essa restrição do Windows RT pode parecer ruim. No entanto, toda a indústria está se movimentando para desenvolver aplicativos compatíveis com Windows 8. E não pensem que eles estão fazendo isso por causa da Surface. Todo o mercado está de olho no segmento de desktops onde a Microsoft lidera com folga. Acontece que por tabela, todos os aplicativos do Windows 8 acabam sendo compatíveis com o Surface. Bela jogada do pessoal da Microsoft!

Navegação por gestos baseados em Swipe

Os poucos sortudos ao redor do mundo que utilizaram o MeeGo do Nokia N9 foram unânimes em elogiar a navegação Swipe. A Microsoft entendeu o recado e implementou esse conceito no Windows 8 (e no Windows RT).

Não sei como ficou a questão de patentes entre Nokia e Microsoft, mas como as empresas estão de mãos dadas no desafio de emplacar o Windows Phone 8, isso certamente não será um problema.

É muito agradável arrastar os dedos na tela pra alternar entre os aplicativos abertos ou para fechá-los. Você pode ver mais sobre este item no vídeo review que consta nesse post.

Tela Widescreen

Surface: Foto tirada em 16:9 em tela cheia

O Surface conta com uma tela 16:9, o que faz com que as fotos tiradas em widescreen sejam exibidas em tela cheia e sem aquelas barras pretas (superior e inferior) como ocorre no iPad.

Office 2013

Essa é uma mega, hiper, ultra vantagem do Surface sobre os demais tablets. Nada de viewers ou aplicações cheias de gambiarras pra manipular documentos do Word, Excel e Power Point.

O Surface conta com um Office 2013 de verdade. Com ele você pode editar seus documentos no tablet, sem medo de que eles percam toda a formatação, o que infelizmente ocorre em muitos aplicativos do iPad.

O Office 2013 ainda não foi finalizado. Com isso, a versão presente no Surface está batizada de Office 2013  Preview. A versão final poderá ser baixada sem custo assim que ela for disponibilizada.

Saída de vídeo VGA e HDMI

Com adaptadores a parte, é possível conectar o Surface à um monitor/projetor com conexão VGA, ou à uma TV com entrada HDMI.

Um recurso que será utilizado por muitas pessoas para fazer apresentações corporativas, ou para ver filmes da Netflix na televisão, por exemplo.

Memória interna, cartões MicroSD e entrada USB

Você tem a opção de escolher o Surface com 32GB ou 64GB. Como ambas versões tem suporte a cartões MicroSD e entrada para PenDrive via USB, acabei optando pela de 32GB mesmo.

Além disso, com o SkyDrive você consegue “ampliar” esse espaço usando o serviço de armazenamento na nuvem.

Acho que não preciso nem dizer que estou super satisfeito com o Surface. Ele tem sido um belo companheiro no trabalho e vai ser uma mão na roda em viagens. Para trabalhos mais pesados, é claro que um notebook sempre será uma melhor opção. Mas nada como não ter as funções de um computador e a praticidade de um tablet reunidas em um só aparelho.

Bom gente, por enquanto é isso… Espero que tenham gostado do review e do Surface.

Se tiverem alguma dúvida, é só postar nos comentários que tentarei responder a todos. 🙂

About igorlt

Twitteiro compulsivo formado em Rádio & TV. Usuário Nokia desde 1999 e expert em Mobile Payment.